Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




mesa de bar

por sapoprincipe, em 30.09.10

Tenho uma amiga que está fazendo um curso de Design de Interiores.

Ela defende que a casa tem que ter a cara d@ don@. E é adepta do “do it yourself”.

Concordamos [quase] plenamente no primeiro item e discordo totalmente do segundo. Sou a favor de contratarem um profissional - sempre. Estou puxando sardinha pra minha brasa? Claro! Gosto do que eu faço, preciso trabalhar e quero é mais... Independente deste ponto interesseiro, existem outros pontos a serem discutidos.

Não acho que uma casa, para ter a cara d@ don@, tem que, necessariamente, ser feita por el@ mesm@.

Minha amiga tem um olho excepcional / brilhante para a decoração, o design, a arte, apesar de sua primeira formação ser em Farmácia. Mas essa não é a regra. A maioria das pessoas não tem esse olhar, e algumas sequer tem interesse em adquiri-lo (é uma coisa que se aprende, claro).

Há profissionais que têm um estilo definido e só conseguem fazer aquilo? Sim (alguns fazem sempre o mesmo por falta de competência mesmo).

Aí temos várias situações. Primeiro, a escolha do profissional. Acho que devemos respeitar os gostos dos clientes e traduzir os seus desejos (o que nem sempre se consegue da maneira que eles imaginam ou propõem. Já tive um caso em que ele queria uma cozinha “rústica” e ela queria colocar uma geladeira de aço inox.). Se o projeto apresentado não está de acordo, é necessário repensá-lo. Para tanto, é necessária a participação efetiva do cliente.

Se @ cliente escolhe aquele profissional que tem estilo próprio, é porque gosta daquele estilo ou quer o status que a assinatura dele confere ao projeto. Como há quem não queira a peça mais adequada para a sala mas, sim, uma peça assinada, porque acha que isso lhe fará parecer importante. Nesse ponto não dá para interferir, é uma questão para el@ resolver com a consciência del@ ou no divã do analista.

Por mais que um projeto, num primeiro momento, possa ficar com cara de showroom (tudo novinho), com o tempo as pessoas vão se apoderando do espaço. É a compra de um porta-retrato a mais, é um outro livro que se coloca na estante, é a troca do arranjo floral e tudo vai ficando mais pessoal.

Até que as alterações tiram a harmonia do espaço e começa a incomodar, sendo necessário um novo projeto.

Se a pessoa quer apenas pintar a casa ou pendurar um quadro, é simples (embora até para isso, às vezes é bom chamar um profissional), mas um projeto de interiores vai muito além disto. Há escolhas de cores, texturas, matérias e disposição do mobiliário, uma solução para a circulação, a insolação, o conforto. Por mais que se tenha regras para isto, em alguns casos é justamente a quebra da regra que dará a melhor solução, ou aquele plus.

O profissional, dependendo da sua experiência, poderá achar soluções criativas, até por conhecer os materiais e saber como funcionou a aplicação em diversos casos.

Quando minha amiga folheia revistas, ou pesquisa na internet, ela está passando por uma formação. E muitas das coisas que ela vê e destaca foram feitas por profissionais. Dá para achar que ficou bonito, não dá para saber é se os clientes gostaram e se tem mesmo a cara deles.

A questão é saber transpor a idéia de um espaço para outro. O que resulta num lugar não necessariamente irá funcionar em outro, por questões de dimensões, iluminação, composição das outras peças. Por isso é necessário avaliar bem a situação e o que se pretende. Algumas pessoas quererão fazer por elas mesmas, outras... nem por isso.

Ainda bem, pois pra mim é um prazer dar forma aos desejos das pessoas.

 

NB - o @ entrou para dizer O ou A ou elE ou elA. coisa que aprendi com minha amiga Monix.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

arq-tipografia

por sapoprincipe, em 28.09.10

 

by Cláudio Luiz

 

Vassouras / RJ - Brasil

 

Esta escolha extrapola um pouco a fonte e fica pelo inusitado. Pena o vaso não estar com nenhuma planta.

A placa do nome da rua estraga um pouco a composição, a meu ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

pingos nos is

por sapoprincipe, em 24.09.10

Aliado às muitas tarefas, há uma desorganização (que não era minha característica) para tumultuar tudo mais ainda.

Hoje, a pilha de tarefas nem é pequena, mas decidi chutar o pau da barraca e escrever este post que ronda a minha cabeça há dias.

Uma amiga perguntou-me sobre a série arq-tipografia. O porquê? As escolhas? Achei que seria bom falar aqui também.

Letra / fonte é uma coisa que me fascina. Há tempos, quando vi o nome do edifício Monte Pascoal na fachada, achei interessante a fonte manuscrita e a composição com as palmeiras. E passei a prestar atenção do uso da tipografia na arquitetura. Sempre que passo por lá parece soprar uma brisa.

Detalhes me atraem.

Tempos passaram, e quando pensei em começar a série no blog, não podia ser outra escolha a primeira.

Fiz outras fotos e, com olhar focado, outros detalhes começaram a sobressair. O material usado – latão, cobre, ferro, pintura, etc. –; baixo e alto relevo; o enquadramento na fachada; cores; a interferência da própria sombra da fonte na composição (que na maioria das vezes não acredito ser intencional). Com isto a série ganhou algumas variáveis.

Aceitando a sugestão dela, vou tentar pontuar o que me chamou a atenção ou definiu a escolha das imagens.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:14

arq-tipografia

por sapoprincipe, em 02.09.10

 

by Cláudio Luiz

 

Botafogo - Rio de Janeiro / RJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D