Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




senta lá, claudia!

por sapoprincipe, em 12.05.15

Ainda do livro.

" Os egípcios faraônicos haviam usado cadeiras, e os gregos antigos refinaram-nas até atingir uma perfeição elegante e confortável no séc. V a.C. Os romanos as levaram para a Europa, mas após a queda do Império - durante a assim chamada Era Negra - sua cadeira foi esquecida. É difícil identificar seu reaparecimento, mas até o sec. XV, as cadeiras haviam voltado a ser usadas. Mas que cadeira diferente! O Klismos gregos tinha um encosto côncavo formado para o corpo humano e pernas chanfradas que permitiam que as pessoas se inclinassem para trás. A postura confortável de um grego despreocupadamente recostado, com o braço sobre as costas baixas da cadeira e as pernas cruzadas, é considerada moderna. Uma posição dessas não seria possível na cadeira medieval, que tinha um assento duro e reto e um encosto alto e vertical cuja função era mais decorativa do que ergonômica. Durante a Idade Média as cadeiras - até as cadeiras de braço parecidas com caixas - não eram projetadas para serem confortáveis, eram símbolos de autoridade. Tinha-se que ser importante para sentar numa cadeira - as pessoas que não eram importante sentavam-se em bancos.

Uma pessoa merecia uma cadeira se sentasse reta sobre ela: ninguém jamais se recostava."

Neste ponto percebemos que a regra até há pouco tempo continuava rígida e válida. Qualquer jovem senhora que fez Socila (curso para jovens meninas que queriam saber se comportar em sociedade. E para qualquer aspirante a miss era curso obrigatório - além da leitura de "O pequeno príncipe", obviamente) sabe disto muito bem. Minhas amigas feministas pensam em levantar os cartazes. Os homens se refastelam nas cadeiras, a mulher, impecavelmente, tem que manter a costas erectas, longe do encosto e as pernas cruzadas sob o assento. Tentem fazer isto mesmo que seja só por 15 minutos.

A imagem que se formou pra mim foram as cadeiras do arquiteto e designer escocês - Charles Rennie Mackintosh (1868-1928). Apesar de serem peças do final do século XIX e início do XX, fizeram imenso sucesso nos anos 80 com a pós-modernidade, o estilo memphis e os yuppies querendo gastar seus milionários salários.

cad_mackintosh_01.jpg         cad_mackintosh_02.jpg 

O passar a sentar-se em cadeiras leva a civilização , mais cedo ou mais tarde, levar em consideração a questão do conforto. "Mesas e cadeiras, ao contrário, por exemplo, das geladeiras e das máquinas de lavar, são um refinamento, e não um utilitário".

A questão de projetar móveis não está ligado apenas a técnica (como construir), mas também ao cultural - como será o seu uso?

"A cadeira correspondia à maneira como as pessoas queriam sentar. Na Idade Média a função primordial da cadeira era cerimonial. O homem que sentava nela era importante - daí o termo 'chairman' (homem da cadeira, homem importante), em inglês - e sua postura alta e digna refletia a sua envergadura social".

Aí o rapazinho lá do fundo da sala levanta a mão e diz: mas nos já evoluímos muito. Sim, podemos responder quase todos. Mas como é mesmo a cadeira do seu chefe de departamento? A do dono da empresa? A do juiz? (não esquecer que alguns se acham deus) Tá, a da bisavó da Charlotte vocês irão dizer que tem motivo pra ser diferente. Ou pra parecer mais moderninho - GOT.

Com a cadeira servindo outros propósitos - sentar para comer, escrever etc - a postura foi mudando, embora lentamente.

Nas cortes de Luís XIV e XV iremos ter alterações ainda maiores. Devido aos interesses hedonistas, da corte de Luís XV, que começaram a surgir móveis confortáveis. Não podemos desconsiderar , neste caso, a influência da grande burguesa Jeanne-Antoniette Poisson, mais conhecida como Mme. de Pompadour, amante do rei, teve sobre ele nesses assuntos (dados acrescentados especialmente para a minha amiga Luciana - leitora eventual do blog - que irá reconhecer nela uma Biscate).

 

NB - ainda tem a regrinha, segundo consta, que para ser considerado efetivamente um designer tem que projetar uma cadeira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16



Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D