Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



padrão

por sapoprincipe, em 04.04.17

Lendo um texto do TAB - Por um design unissex - que a Monix compartilhou, me dei conta de como essa discussão já passou pelos meus projetos. Tempo.
Em 2005, quando voltei pro Brasil, fui indicado para fazer um projeto numa escola Técnica em Santíssimo. Como era um projeto grande, chamei o arq. Maurício Campbell para fazê-lo comigo.
Uma das questões eram os banheiros. O banheiro feminino ficava dentro do vestiário e o banheiro masculino tinha entrada pelo outro lado. Completamente separados (embora as paredes dos fundos se comunicassem). Como era um prédio antigo, que tinha sofrido várias obras ao longo do tempo, não era um projeto de fácil solução. Mas, juntando todas as áreas e deslocando o vestiário para a quadra (outra parte do projeto), conseguimos criar uma nova sala - que faria o corredor ser todo com portas de entradas de salas e, no corredor lateral, a entrada dos banheiros. Aproveitando a estrutura existente - pintamos pilar e viga de amarelo, criando um pórtico que demarcava, no corredor, a entrada dos banheiros que tinha, na área de entrada, os lavatórios (comum aos dois banheiros) e, de cada lado, os banheiros feminino e masculino. Os banheiros foram calculados ao milímetro para evitar cortes e desperdícios de cerâmica. Então, tantas cerâmicas + espaçamentos determinavam a largura dos reservados e a altura alinhava com a divisória de granito e arrematando - cerâmica e divisória - uma faixa de azulejo 10x10 amarelo. Como a escola tinha uma barra cinza pintada em todos os corredores, mantivemos o cinza na cerâmica e escolhemos o amarelo para os detalhes (barra e forração das portas), além de fugir do padrão rosa meninas/azul meninos. Os banheiros ficam assim exatamente iguais (ou quase, visto que o dos meninos, além dos reservados, tinha o mictório. E no das meninas tinha mais um número de boxes).
Discussão importante. Já não me lembro o porquê de um comentário, visto que banheiro comum não era uma discussão na época. Logicamente, adiantei que não iria propor, por ser um avanço muito grande. Mas... a proposta tinha os lavatórios em comum e não tinha porta no acesso – o que facilitaria a circulação. “Oh, mas os meninos irão entrar no banheiro das meninas..." Contra-argumento, a porta não seria exatamente um impeditivo caso houvesse interesse em... e, segundo, como aqui é uma escola, cabe a vocês ensinarem que eles tenham respeito pelas garotas e pelo espaço do outro.
Outra questão era a manutenção dos banheiros. Inclusive pelo mau uso dos alunos. Nossa proposta foi a que, no início das aulas, fizessem uma reunião com todos os alunos, apresentassem a reforma dos banheiros - que foi feita pra eles, com o dinheiro deles (a mensalidade cobre o funcionamento, reformas e manutenção) - e quanto melhor eles cuidassem, mais tempo teriam um bom banheiro pra usarem.
Fiquei bastante feliz quando eles compraram as ideias.
O projeto ficou bem legal e foi aprovado também pelos alunos.
Quando voltei lá, tempos depois, para ver outro projeto, soube que, 3 meses depois do início das aulas, um aluno escreveu na parede do banheiro, mas foi facilmente identificado. Chamaram os pais, resolveram a questão da pintura e não voltou a acontecer. Final de 2010, voltei à escola para discutir um outro projeto e o banheiro continua lá, "inteiro". Tinha uns amassadinhos no mictório, mas acho que eram mais do bater das vassouras do pessoal da limpeza do que propriamente dos alunos.
Um bom projeto também pode influenciar no comportamento. ;c)

170404_escola_banh.png

Banheiros / Escola

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:02

arq-tipografia

por sapoprincipe, em 31.05.16

Uma amiga (oi, Dedeia), quando comentei do lançamento do livro, me sugeriu que eu fizesse um post na outra semana e aproveitasse para sugerir que seria um ótimo presente de aniversário. Perdi o timing. #masficaadica

No final de março, foi lançado no Rio o livro "Letreiros", de Mari Stockler e Marcus Wagner que dizem: "São 162 fotos novas e antigas, de letreiros emblemáticos que ainda existem ou que já foram retirados, mas que contam a história visual das ruas da cidade. Como esquecer o letreiro da boate Help, em Copacabana, com aquelas perninhas dançando em néon? Ou da Chaika, em Ipanema? Das Perucas Lady, em Copacabana? O traço Art Déco do letreiro do Bar Paladino, no Centro?"
Uma outra maneira de encarar a "arq-tipografia".
Se eu tivesse um bom padrinho, poderia também lançar um livro.

160531_fernandaS_by roberto filho.JPG

Fernadinha e Fernanda com os seus exemplares.
By Roberto Filho

 

160531_letreiros_bobs_1974.jpg

Bob's - Foto do livro.
Porque morei em frente ao primeiro Bob's do Rio
e fui feliz lá naquele apartamento (Oi, Márcia)

Ou, se tivesse disposição para academia (até teria, na realidade, o ponto é outro) poderia também seguir os passos de D’Elboux e fazer uma mapa do Rio. Já teria meio caminho andando. Embora, provavelmente, expandisse para além do Déco.
Diz ele: " As referências tipográficas encontradas no espaço público de São Paulo revelam parte da história da cidade" (ele poderia ser menos modesto e ampliar este leque aí. Revelam de muitas cidades.)
"O piso de mosaico estilo Art Nouveau com o monograma da família Álvares Penteado, na Vila Penteado; as letras Art Déco na entrada do Estádio do Pacaembu; as inscrições caligráficas encontradas no cemitério São Paulo; e a moderna Biblioteca de São Paulo, com suas enormes letras que lembram antigos tipos metálicos para impressão, são alguns dos exemplos de como a tipografia se encontra entrelaçada à arquitetura na cidade." Daqui.

160531_Pacaembu by d_elboux.jpg

Déco SP - by D'Elboux

 
Já para o Rio, de uma forma bem mais restrita - meu foco são prédios residenciais -, vou fazer uma seleção da seleção do "Arq_Tipografia" e republicar aqui a série de forma mais seguidinha (tentarei postar uma a cada semana), para que possam ter uma pequena visão de forma mais fácil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:10

paisagem

por sapoprincipe, em 15.12.15

Aproveitando a data de comemoração do dia do arquiteto.

 

"Pensar a paisagem nos ajuda a compreender o mundo.
Para que haja paisagem é preciso que haja um sujeito observador que a constrói e inventa.
Nós somos a paisagem."

 

 

Trabalho de tese da Arq. Lúcia Maria de Siqueira Cavalcanti Vera

Paisagem-Postal: A imagem e a palavra na compreensão de um Recife urbano.

 

"Parece simples falar de paisagem e parece óbvio que a paisagem deveria ser considerada quando se pensa em planejar as cidades, mas...
os planejadores têm dificuldades de trabalhar com a imaterialidade nos seus projetos.

Paisagens postais são aquelas que identificam cidades como assinaturas urbanas. Esta identificação não está expressa na paisagem em si, mas na relação de apreensão entre o sujeito que a observa e a transforma e a paisagem que se deixa observar e transformar."

Urbanismo não é minha praia, mas trabalhos como este até me fazem pensar em. 
Embora diferente do Recife onde a intervenção era na frente dos prédios históricos, acho bastante similar ao que será feito no "porto maravilha" aqui no Rio. Vista do mar a primeira visão ainda  será os armazéns do porto. Mas para quem irá transitar pela cidade, com os inúmeros edifícios que se pretende construir - e alguns com uma arquitetura espelhada de gosto duvidoso - o impacto - por conta do gabarito que foi liberado- já não será as curvas dos morros ou a nossa exuberante paisagem - que é fator determinante para o título de maravilhosa que detém a cidade. Apesar do turismo não ser tão bem explorado, boa parte do que ocorre é por conta da paisagem. Sendo ela maculada pelos prédios (ainda mais do que já é), não sei se teremos ganhos. Até pela comparação do que se pretende construir aqui e o que está pronto lá, acho que se alguém estiver interessado em ver prédios irá para Dubai.
Acho lamentável não termos tido um #ocupaporto, pois consertar o estrago será complicado e caro. Lógico que com a abertura da reformada Praça Mauá esse impacto não está sendo sentido. Mas aquilo é só uma cereja do bolo que não será saboroso.
E cada vez mais vamos perdendo a cidade.

 

"Se você abrir uma pessoa, irá encontrar paisagens" Agnès Varda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00

arq-tipografia

por sapoprincipe, em 26.08.15

arqtipo_109.jpg

by Cláudio Luiz

 

rua Pereira da Silva, Laranjeiras - Rio de Janeiro / RJ

 

a fonte já tem contornos irregulares e ainda foi escolhido um verde muito escuro para um fundo preto. Não fosse o photosop, só seria possível ler o classic.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:21

arq-tipografia

por sapoprincipe, em 04.08.15

arqtipo_108.jpg

 

Rua Conde de Bonfim - Tijuca - Rio de Janeiro 

 

by Stella Cavalcanti.

sócia da casa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:36

arq-tipografia

por sapoprincipe, em 24.06.15

150624_arqtipo_107.jpg

 

by Cláudio Luiz

 

Bambina - Botafogo - Rio de Janeiro / RJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:31

Arq-tipografia

por sapoprincipe, em 16.01.15

arqtipo_104

 

by Cláudio Luiz

 

rua Ângelo Agostini - Tijuca - Rio de Janeiro / RJ

 

Aumentou ainda mais as saudades de Lisboa.

Verde alfacinha

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18

Arq-tipografia

por sapoprincipe, em 28.11.14

arqtipo_103

 

by Cláudio Luiz

rua Leopoldo Miguez - Copacabana - Rio de Janeiro / RJ

Por que já tem muito tempo que não posto uma arq-tipografia.

Elegância e discrição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:29

acordes em si e mi

por sapoprincipe, em 20.09.14

Os arquitetos que se dedicam a projetos de interiores sempre foram vistos de ladinho, de um modo geral, pelos colegas que adoram se intitular arquitetos / urbanistas.

Com a criação do conselho, e a hipótese de perder um nicho do mercado, interiores está na lista de atividades do profissional de arquitetura. O pessoal do design – que ainda nem sequer tem sua profissão reconhecida – grita com razão.

A discussão do que é mais importante – arquitetura, urbanismo, interiores – é grande, com cada profissional relacionado com uma área tentando se valorizar.

Sempre me pergunto, por acreditar que o ponto principal é habitar - do que adianta uma cidade bem planejada, com boa mobilidade, onde as construções são horrendas? Do que adianta uma casa com excelente projeto arquitetônico, completamente vazia, não permitindo seu uso como moradia?

Então, urbanismo, arquitetura, interiores estão intrinsecamente ligados, pra mim. Como o todo humano.

“O planejamento urbano não diz respeito apenas a coisas práticas, ele também reflete as ambições e desejos humanos. Foi isso que levou Luís XIV a transformar Paris de uma cidade medieval em uma cidade moderna. A mesma intenção, embora em menor escala, leva-nos a redecorar a cozinha ou a mudar os móveis de lugar na sala de visitas ou a pintar a sala de estar da família.” (Rybczynski, Witold)

Tudo está tão ligado, que o livro sobre urbanismo em vez de me fazer lembrar de meus amigos arquitetos, remete-me para a brilhante Camila Pavanelli, que entre uma linha e outra de sua tese, gosta de ouvir jazz.

“... Se o planejamento de Paris pode ser comparado ao afinamento da música sinfônica, as cidades da Nova Inglaterra podem ser comparadas ao jazz. Claro que um jazz bem-comportado – digamos que do pianista Bill Evans e não de Fats Waller. Mas, como o jazz, ele envolve improviso e, como no jazz, isso não significa que o resultado seja acidental e que não existam regras.” (Ibidem)

Nem imagino se ela gosta dos músicos citados, foi apenas pela relação com o estilo musical mesmo.

Vou ali pensar que estilo musical combina com a minha casa ou o meu projeto do momento ;c)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:19

Arq-tipografia

por sapoprincipe, em 25.07.14

Gal Costa canta ao fundo "E é como se então de repente eu chegasse ao fundo do fim / De volta ao começo / De volta ao começo...".

Iniciando "nova" contagem esta é a arq-tipografia 101. Pra manter o ritmo, lembremos da primeira. Passando por copacabana deparei com esta pérola. Não acho que tenha a beleza e leveza da inspiradora do arq-tipografia, mas dá para levantar a hipótese de ser da mesma leva ou de um mesmo arquiteto. O desnivelamento / alinhamento pode ser descudido posteriror.

 

 

by Cláudio Luiz

 

Av. N. S. de Copacabana, 1040 - Copacabana - Rio de Janeiro / RJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:01


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D