Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Deitado [nem sempre] em berço esplêndido

por sapoprincipe, em 04.04.14

Como o apartamento é pequeno e eu decidi juntar todas as minhas coisas que estavam espalhadas, qualquer espaço de armazenamento é importante.

Cama? Baú, é claro.

Tradicionalmente tínhamos camas mais baixas. Nem era raro... “nossa caminhadura / Cama de tatame / Pela vida afora”. Numa relação mais próxima com a europa e o oriente.

Agora, com a “invasão” americana de camas altas e grandes, é um terror.  60 cm de altura (no mínimo) e king, claro. Pra os apartamentos pequenos fica aquele mar de cama no quarto, tornando-o visualmente menor e mais entulhado.

Sempre que vejo casas americanas os espaços são mais generosos que os nossos. Tá, aquele seu amigo que mora em Nova York o apartamento dele é minúsculo. Mas desde a época que a sessão da tarde exibia filme em p&b, que apartamentinhos lá tinham camas embutidas nos armários. Ótimo. Acordou, levanta a cama e vc deixa de ter um quarto de dormir pequeno e passa a ter um closet generoso.

Não será meu caso. Até porque ferragens no Brasil ainda é uma coisa difícil de achar.

Então, escolher com cuidado um colchão de casal padrão, bom e que não seja alto [nem caro].

 

NB – a próxima agonia será escolher o sofá. Afinal, todos no Rio moram em apartamentos com salas enormes que podem acolher facilmente sofás com um metro de profundidade (padrão comum nas lojas).

Tudo bem, o mercado para ricos é mais interessante, mas pobre também compra e tem bom gosto, porra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15

Cada um dá o que tem

por sapoprincipe, em 20.09.13

photo by Cris Carriconde


Já nem me lembro se esta frase é da cena de D. Beja ou de Xica da Silva, mas que é linda é. Além de certeira.

 

Sempre acreditei que educação vem de berço. Mas não, no máximo o berço lhe dá a base. A educação vem quando você consegue reconhecer o outro, se reconhecer no outro e sabe se colocar no lugar do outro.

Não consigo conceber a modernidade sem educação (será que demorará muito para sairmos da idade média?)

E cada um dá o que tem. Sempre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:01

decor VIII

por sapoprincipe, em 12.09.13

“ Eu tinha 19 anos e minha mulher também, e nós tínhamos um apartamentinho que estávamos tentando montar como o lar de um típico casal americano de classe média. Estávamos imitando nossos pais, sem nos darmos ao trabalho de pensar na nossa vida com algum tipo de profundidade”


Elizabeth Gilbert

O último homem americano

pág. 79


NB - Erro clássico. Seja copiar a casa dos pais, do vizinho ou do amigo. Além do gosto, preferências e ritmo de vida, espaços diferentes exigem soluções diferentes. Sempre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

ângulo

por sapoprincipe, em 04.09.12

Para algumas pessoas a grama do meu jardim é mais verde. Bem mais verde.

 

NB - bem sei quanto custa o adubo e a manutenção.
Ter flores na primavera exige investimentos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:21

moderninhos de plantão

por sapoprincipe, em 06.12.11

Aprendi que o modernismo na Arquitetura brasileira começava com Warchavchki. Nem imaginava estas barbaridades todas ditas sobre ele. Querer que a "boa" arquitetura fique restrita aos grandes monumentos e grandes nomes é f... Ate porque, a boa arquitetura, quando nada, deveria influenciar o arquiteto que está projetando o prediozinho ali da esquina, a lojinha do outro quarteirão ou a casa daquele bairo distante. Seria uma forma de termos cidades melhores, não?

O Rio com tantos arquitetos renomados, se tirarmos a paisagem exuberante, continuaríamos a ter uma cidade maravilhosa?

Análise do livro sobre Warchavchki.

A nova morada do modernismo

Pioneirismo "esquecido" de Warchavchki é revelador das tensões da vanguarda nacional.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23

arq-tipografia

por sapoprincipe, em 16.11.11

 

By Cláudio Luiz

 

R. Marquês de São Vicente - Gávea - Rio de Janeiro / RJ

 

Num acesso de originalidade eu havia pensando para este arq-tipografia 50 um número ... 50. Moderno, em aço escovado. Só que, onde foi parar a foto? Até tenho tentado organizar melhor as pastas do meu computador, but... a foto sumiu. Até voltei ao local a onde achei que havia tirado a foto e não era :c(

Mas vamos manter o ideal (tá! eu sei que trocadilhos são infames).

Ah! e diga-se de passagem, não seria o meu ideal especificar material espelhado para uma fachada com um poste da light com fios todos emaranhados bem em frente.

(pior do que isto, só o exemplo citado por um professor da pós, o projeto de uma loja de um shopping onde especificaram espelho para uma parede que refletia justamente a vitrine e logomarca da loja concorrente. Seria uma estratégia de marketing - mostrar que não tem medo da concorrência? eheheheh)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:13

agenda cultural

por sapoprincipe, em 17.08.11

Como não tenho lido jornais e visto tv, logicamente, a falha é minha. Mas ainda assim eu poderia ver uma ressonância, que não ouço.

Tem várias coisas legais acontecendo no Rio.

Fui ver no domingo (último dia) a Exposição - Bispo do Rosário: o Artista do Fio. Boa.

Queremos Miles - no ccbb. Terei que voltar para ouvir mais.

No centro cultural dos correios eu destaco a exposição Mestres da Gravura na Coleção da biblioteca Nacional. Relíquias guardadas há séculos. Ainda tive a oportunidade de falar com a curadora Fernanda Terra, uma aula e tanto.

 

Anotem, valem a pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:09

um pingo é letra

por sapoprincipe, em 18.07.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18

geografia

por sapoprincipe, em 01.07.11

O Haiti era aqui.

Agora acho que andam a flertar com o Dubai.

 


Projeto vencedor do Concurso Porto Olímpico, do arquiteto João Pedro Backheuser

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

cores e nomes

por sapoprincipe, em 08.06.11

Produzir o trabalho de conclusão de curso teria sido mais fácil se eu tivesse o feito de uma tacada só. Mas, ao fim das contas, foi ótimo escrever e um aprendizado ainda maior. Lógico que sem o auxílio luxuoso do Elir o texto viria com várias vírgulas fora do lugar e mais alguns errinhos.

Bem sei que prometer uma série de posts em blog é um fiasco, quase sempre. Todavia, espero discutir mais vezes sobre cores aqui.

Pra já, só uma palhinha da discussão do artigo.
 

Muitas vezes evitamos o uso de cores vivas ou contrastes mais acentuados, e optamos por combinações discretas, pouco perceptíveis ou quase "não cores", por temer os resultados por falta de conhecimento técnico, pela linha adotada pela academia e suas doutrinas ou para evitar críticas se aceitarmos a proposição de Goethe:

 

Uma pintura pode se tornar facilmente berrante, se as cores são dispostas com toda a intensidade. [...] Se, ao contrário, cores fracas, apesar de destoantes, são colocadas lado a lado, o efeito não dá na vista. Sua própria incerteza é transmitida ao espectador, que por sua vez não tem como elogiar, nem reprovar. (GOETHE, 1993, p. 150)

 

Não seriam as cores vivas (saturadas) e os contrastes tão naturais quanto às, segundo Goethe, fracas? Vivianne Pontes (2011), em seu blog De(coeur)ação, questiona este ponto quando fala sobre cores neutras:

 

"A noite, a nuvem, a terra, o dia claro, o dia chuvoso, nossa pele, cabelos, dentes. Vemos estes elementos o tempo inteiro, e nos acostumamos a suas cores de tal modo que as chamamos de 'cores naturais', por falta de um adjetivo melhor. (Como se uma rosa vermelha não tivesse uma 'cor natural')".

 

A posição tomada por Goethe (1993, p.81), de que "homens cultivados evitam cores vivas nas roupas e no ambiente que os cerca, procurando em geral delas se afastar" já não é regra nos dias atuais. "Muita gente abraça calorosamente novos e excitantes usos da cor. Quando a Apple lançou um computador azul, as vendas foram mais rápidas do que de qualquer outro" (FRASER; BANKS, 2007, p.7).
Trabalhar com cor exige empenho, conhecimento técnico, inúmeros testes, controle das variáveis, mas poderá não ser tão difícil quanto parece para se conseguir resultados satisfatórios quando o ambiente for finalizado.

 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:11


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D