Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ponteiro

por sapoprincipe, em 01.07.18

180701_julho.png

Hexa! Hexa! Hexa!
Ops, é hepta, já estamos em julho, mês sete.
O "ano" está meio cheio ou meio vazio?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:00

domingueira

por sapoprincipe, em 24.06.18

180624_by_Yinka Shonibare.jpg

Fragonard by Yinka Shonibare

by_Yinka Shonibare_01.jpgby_Yinka Shonibare_02.jpg

Butterfly kid [2017] by Yinka Shonibare

 

Assisti um vídeo sobre arte africana e ouvi o nome de Yinka Shonibare. Pouco dias depois, cai num texto que também citava Yinka. E as releituras dele de obras famosas, como a do Fragonard, são maravilhosas. Não é futeol, mas ele bate um bolão. (sorry, nao resisti - rs)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:00

singular

por sapoprincipe, em 21.06.18

Roxo é a cor dos sentimentos ambivalentes. No violeta todos os opostos se fundem.
Em nenhuma outra cor se unem qualidades tão opostas como no violeta: é a união da cor magenta e da cor azul, sentimento e intelecto, amor e abstinência,  sensualidade e espiritualidade, força e delicadeza. Todas as cores mistas são percebidas como ambíguas, não objetivas, incertas. O violeta ainda mais.
A união dos opostos é o que determina a simbologia da cor violeta.

180621_roxo.png

Roxo, violeta, púrpura (na Alemanha púrpura é vermelho), ameixa, malva, berinjela, íris podem ser algumas de suas denominações. Quando mais clara, por mistura com o branco, pode ser lilás, lavanda, ametista.
[fundo musical - João Bosco/Capinan
É tornar a nascer
Violeta e azul
Outro ser
Luz do querer...
Não vai desbotar
Lilás, cor do mar
Seda, cor de batom
Arco-íris crepom...]

Antes de cair a noite, o violeta é a última cor que antecede a escuridão total.
O roxo é a cor mais escura - oposição ao amarelo que é a mais luminosa.
O violeta é a cor que fica entre a vida e a morte.
O violeta é a cor mais íntima do arco-íris, ele se transmite ao invisível ultravioleta.
Assim, o violeta marca a fronteira do visível com o invisível.
Como complementar ao amarelo, que é a cor do entendimento, o violeta é a cor da fé – e a cor da magia.

Isso faz com que a cor, da mesma forma, tenha ligação com a superstição.
"O que veste um feiticeiro? 'Uma túnica violeta!', diz a maioria de forma espontânea.
As bruxas malvadas se vestem de roxo, as fadas bondosas se vestem de lilás."
[Beth S. e Raquel S., vocês se vestem com que cor? eheheh Maldade minha.]

"O violeta simboliza o lado sinistro da fantasia, a busca anímica, tornar possível o impossível."
Na simbologia indiana, o violeta é a cor da metempsicose, a transmigração das almas. Na psicologia moderna é a cor dos alucinógenos, que devem abrir a consciência a estímulos irreais.
Nos chakras, é o ponto mais alto - no alto da cabeça, o cérebro. Ligação com o divino.

" As antocianinas, substancias naturais que conferem a cor roxa, azul e vermelha a alguns alimentos, podem se tornar uma alternativa para o tratamento de tumores, revela estudo publicado no Scientific Reports."
As cores podem nos curar? Precisamos de mais estudos, com certeza. Mas que as cores nos influenciam, sem sombra de dúvida.

"Todos os nomes de mulher derivados do violeta são nomes de flores. ‘Iolanda’ é a violeta grega. Da urze violeta resultou o nome, antigamente muito popular, ‘Erika’; mais extravagantes são ‘Hortênsia’, da flor rosa-lilás hortênsia, e ‘Malvina’, da malva. ‘Violet’ e ‘violette’ são, igualmente, tanto as flores quanto as cores em inglês, em francês, como em português.
Embora o violeta seja uma cor eclesiástica, não existem nomes masculinos dessa cor."
[Máx, não tive como não lembrar da escolha da Erica para a cor do quarto.
Cristina Capella, teve "algum roxo" na escolha do nome da Iolanda?]

180621_violeta.png

Violetas

Também a designação da cor “lilás” (que é o roxo com branco) é permitida como nome de mulher, ela veio da flor francesa “lilás”, em inglês “lilac”, e vou incluir aqui Lila - do espanhol.
[Lila, além de lilás, lila significa diversão - sua cara, não? Se bem que agora a sua cara é mais viagem/turismo.]

"É digno de nota observar a proximidade entre os termos ‘violeta’ e ‘violência’. Em italiano, o nome da flor é ‘viola’ – contudo, ‘violenza’ é ‘violência’ e ‘violare’ corresponde ao verbo ‘violar’. Tanto na Inglaterra quanto na França, ‘violência’ se diz ‘violence’, e em ambas temos também ‘violation’, ‘violação’. É historicamente plausível que essa ligação tenha surgido em virtude do púrpura, pois o violeta púrpura era na Antiguidade a cor dos governantes. Assim, essa cor, no tom púrpura, tornou-se a cor do poder. E o nome da violeta transformou-se no nome da violência."

O violeta tem um passado grandioso. Além dos governantes/do poder, também, é uma cor eclesiástica.
A cor do poder temporal é, na interpretação eclesiástica, a cor da eternidade e da justiça. Assim a Igreja resolveu o dilema de, apesar de lutar pelo poder, se apresentar como humilde servidora de Deus.
No acorde da devoção, o branco é a cor divina; o preto é a cor política; o violeta é a cor da teologia.

Na Roma antiga, a púrpura era, por lei, a cor imperial. A tinta que o imperador usava para assinar.
O aposento onde a imperatriz dava à luz seus filhos era todo atapetado de seda púrpura.
Júlio César criou leis limitando o seu uso. Somente ele podia trajar uma túnica inteiramente púrpura.

Em função da produção da tecelagem, do corante, da tintura, do transporte, levava-se bastante tempo para os produtos chegarem ao destino, o que poderia ser uma justificativa para os altos preços.
Consequentemente, seu uso já seria restrito, independente  dos decretos de César.
Todavia, Cleópatra, rainha do Egito, que não tinha de obedecer ao decreto de César, tingiu de púrpura as velas de seu barco.
[Cleo lacrou. Poderoooooosa.]

Suspeita-se que os fenícios descobriram o tingimento púrpura por volta de 1500 a.C.
Para se obter a tintura púrpura, necessitava-se do muco incolor que o caramujo secreta.
Na antiga Roma, havia cidades que faziam a tintura.
Punham-se os caramujos em caldeirões e eles eram deixados ali apodrecendo – o que fazia com que produzissem mais muco, além de exalarem um mau cheiro insuportável. As cidades que produziam a tintura eram famosas por esse mau cheiro.
[e vc aí falando que gostaria de viver na antiguidade pq era chic].

"Apesar de os caramujos e a mão de obra serem baratos, nos tempos da Antiga Roma, um quilo de fio da cor púrpura custava vinte vezes mais do que os mais caros tecidos. Um metro de seda púrpura custava o equivalente a vários milhares de euros."
[capitalismo selvagem]

"Desde a Antiguidade, as violetas eram a flor-símbolo da moderação, contudo com uma conotação muito mundana: nos banquetes era costume usarem-se coroas de violetas na cabeça: o perfume das violetas – era o que se esperava – protegia contra dores de cabeça e ressaca.
O mesmo efeito era prometido pela pedra preciosa ametista, que tem a cor da violeta. Quem usasse uma ametista estaria protegido contra a bebedeira. Daí vem também o nome da pedra – a palavra grega ‘amethysos’ significa 'não bêbado'".

[Acho que é um tributo. De novo, João Bosco, agora com Aldir Blanc... minha pedra é ametista/ minha cor,...]

"Uma possível explicação lógica para a antiga superstição: na alta sociedade dos antigos, era costume usar copos de ametista polida. Nesses copos não havia como se distinguir água de vinho, e quem quisesse permanecer sóbrio prosseguiria no banquete bebendo apenas água e passaria despercebido."

De todas as bandeiras do mundo, apenas uma tem entre suas cores a roxa, que representa o seu papagaio. É da Dominica - uma ilha no mar do Caribe, mais precisamente das pequenas Antilhas.

180621_Domínica.png

Cor da sexualidade pecaminosa. Das feministas. Da homossexualidade. Dos olhos de Elizabeth Taylor.

As pessoas mais a rejeitam do que apreciam. Para quem trabalha com cor, não apreciar alguma pode dificultar o exercício da profissão.
"Johannes Itten, professor da Bauhaus, obrigava seus alunos a usarem com maior frequência aquelas cores de que eles menos gostavam. Naturalmente, a maioria dos alunos descobria então que as cores de que menos gostavam tinham uma beleza que eles não imaginavam.
Descobrir belezas e possibilidades é um grande ganho."

Não por acaso, o violeta foi a primeira cor sintética.
Como sempre, culpa do estagiário.
Em 1856, William Henry Perkins, um ajudante de laboratório de 19 anos, destilou o carbono – fez isso por erro, pois tinha sido encarregado de outra tarefa; diante do pasmo geral, obteve um corante violeta. Perkins patentou-o sob o nome de Perkins mauve, um violeta muito intenso, que ligou seu nome ao da malva.
Num primeiro momento não foi usado, até tecelões franceses descobrirem que a patente não valia na França - não precisariam pagar - usaram à mão cheia. Tanto que de 1890 e 1900 recebeu o nome de “a década da malva”.
Foi uma cor típica do Art Nouveau.

180621_ametista.png

Ametista

O roxo é identificado, além do mais, com a vaidade. Um dos sete pecados capitais que, nos dias de hoje, é entendido como menos danoso.
[será? Essa exibição toda aí nas redes sociais, de roupas de griffe, é menos danoso mesmo?].
Luxúria entra nessa conta, inclusive.
Oscar Wilde chamou a sexualidade proibida de “as horas violetas no tempo cinzento”.
Dior, quando embalou seu vidro (verde escuro) do perfume Poison numa caixa violeta, não estava querendo dizer do -veneno- mas, sim, do seu cheiro arrebatador.
Alguns o consideraram como a cor dos "pecados bonitos". Ou doces, se considerarmos que entra na lista das cores preferidas para embrulhar os tabletes de chocolates - Cadbury e Milka estão aí de exemplos.
Caixas de jóias forradas com veludo violeta entram, juntamente, na lista.

Lavanda, violeta, alecrim são aromas tidos como típicos das “solteironas”.
"O lilás e o violeta foram frequentemente utilizados no design das embalagens dos cosméticos destinados às mulheres 'maduras'."

Entrou, em uns poucos períodos, na moda. Apesar de remeter muitas vezes à penitência da Semana Santa, para o vestido de luto de algumas viúvas, para os cabelinhos tingidos de senhorinhas fofas, não se pensa em humildade, recato ou penitência – o violeta é percebido como uma cor extravagante.

"O violeta denuncia que a escolha foi conscientemente direcionada para uma cor especial. Ninguém usa o violeta de forma impensada, como se usa o bege, o cinza ou o preto. Quem se veste de violeta quer chamar a atenção, distinguir-se da massa. Quem escolher o violeta sem verdadeiramente apreciá-lo dá a impressão de estar disfarçado, transmite a impressão de que a cor tem mais força do que a pessoa que a usa. Quem se veste de violeta tem que saber por que motivo o faz."

A mais singular e extravagante das cores.

[na sequência dos posts sobre cores, fiquei pensando qual seria o título para este sobre roxo.
Passei por magia, mística, luxuria, pecados bonitos e quando li a frase acima defini - singular.
Aí, me lembrei da época da faculdade. No primeiro ano, numa conversa com colegas da turma, caímos numa discussão sobre cores e preferências. O que combina, o que não combina. Lembro-me claramente os exemplos que usei para rebater a desaprovação para vermelho-preto e roxo. Uma mulher num longo preto com uma rosa vermelha na mão, pra mim era elegante a combinação. Um arranjo, sobre a mesa de jantar com toalha de linho branco, de orquídeas brancas com labelos roxos (as comuns Cattleya purpurata) seria de grande beleza e sofisticação. Melhora até o paladar, não? Lógico que fui gozado por dias por conta do roxo. Acabou virando minha resposta para cor preferida, quando não quero prolongar discussão - roxo.
A mais singular e extravagante das cores. Atirei no que vi, acertei no que não vi.]

Notas:
Livros utilizados para produção do texto:
Frase, Tom - Banks, Adam - O Essencial da Cor no Design
Goethe, J. W. - Doutrina das Cores
Heller , Eva - A Psicologia das Cores
Pastoureau, Michel - Dicionário das Cores do Nosso Tempo
Queiroz, Mônica - A Cor Incorporada ao Ensino de Projeto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

gostei imenso

por sapoprincipe, em 10.06.18

180610_portugal.png

Hoje é dia de Portugal e dia da Língua Portuguesa.

Pensando em minha mana Paula e nos amigos que fiz lá, fica aqui o meu carinho.
Sobre o texto eu poderia dizer - achei legal. Minha mana, talvez, diria "bué de fixe".
Sobre as expressões, ontem mesmo assistindo a um capítulo de uma novela portuguesa (vez por outra eu faço isso) ouvi uma personagem dizer - a situação entre vocês está "de cortar à faca". Que convenhamos, é uma forma ótima de falar de um clima pesado.
Enfim, prefiro mesmo pegar emprestado uma expressão deles e dizer sobre o texto: gostei imenso.

 

Ah, e CPF pode ser Centro Português de Fotografia, que vale muito a pena a visita quando estiver a passar pelo Porto.

"_Em Homenagem ao Dia Internacional da Língua Portuguesa_
Eu tomo café da manhã, ele toma pequeno almoço. Eu tomo leite na xícara, ele toma café na chávena. Eu tomo uma chuvinha besta, ele apanha uma chuva molha parvos. Eu tomo um sorvete de creme, ele toma um gelado de natas. Eu tomo um chope, ele toma uma imperial. Eu tomo um porre, ele apanha uma bebedeira. Eu pergunto se ele viu minha meia-calça marrom e ele diz que não, não viu meus collants castanhos. Eu pergunto se ele vai de terno, ele me diz que não vai de fato. Eu uso calcinhas, que ele diz que são cuecas, ele usa boxers, que eu digo que são cuecas. Eu digo que é uma camiseta bonita, ele diz que é uma t-shirt gira. Eu digo que a nova camisa do Cruzeiro está linda, ele diz que a nova camisola do Porto está brutal.
Eu digo para de frescura e ele me diz não me venhas com fitas. Eu digo que ele não sabe porra nenhuma, ele diz que eu não sei a ponta de um corno. Eu digo se agasalha direito, ele me diz tapa-te bem. Eu digo muito, ele diz bué. Eu pergunto se nossos amigos vão trazer as crianças e ele diz que, sim, eles trazem os putos. Eu pergunto se elas estão fazendo o álbum da Copa e ele diz que sim, elas estão a fazer a caderneta do mundial. Eu pergunto se eles têm figurinhas para trocar, ele me diz que eles têm cromos repetidos.
Eu pergunto se vamos de trem, ele diz que vamos de comboio. Eu digo que o encontro em 10 minutos no ponto do ônibus e dez minutos depois ele me diz que já está na paragem do autocarro. Eu digo que o pedágio é carésimo, ele diz que a portagem é um balúrdio. Eu digo que precisamos parar no posto e ele diz que logo ali há uma bomba. Eu digo que esse goleiro é muito ruim, ele concorda dizendo que é mesmo um guarda-redes muito mau. Eu berro que o atacante estava impedido, ele berra que o avançado estava fora de jogo. E digo que o juiz tá de sacanagem, ele diz que o árbitro está a gozar. Eu digo que não foi escanteio, foi tiro de meta, ele concorda que não foi canto, foi pontapé de baliza.
Eu digo que adoro a Whoopi Goldberg em Mudança de Hábito, ele diz que nunca assistiu a Do Cabaré Para o Convento. Eu digo que nunca assisti a O Poderoso Chefão, ele diz que eu preciso assistir a O Padrinho. Eu digo que parei de ver Bastardos Inglórios no meio, ele diz que eu tenho que acabar de ver Sacanas Sem Lei. Eu digo que TST é Tribunal Superior do Trabalho, ele diz que TST é Transportes do Sul do Tejo. Eu digo que ABL é Academia Brasileira de Letras, ele diz que ABL é Associação de Basquete de Lisboa. Eu digo que Itau é um banco, ele diz que Itau é Instituto Técnico de Alimentação Humana (e eu digo que falta um H nessa sigla).
Eu digo que comprei caquis, ele diz que comprou dióspiros. Eu peço para ele comprar abobrinha e alho poró, ele compra courgette e alho francês. Eu digo que gosto de bolo salgado, ele diz que gosta de bôla. Eu digo que gosto de rocambole, ele diz que gosta de torta. Eu digo que gosto de torta, ele diz que gosta de tarte. Eu digo que era um bando de estelionatários, ele diz que era uma corja de aldrabões. Eu digo que o cara é um babaca, ele diz que o gajo é um parvalhão. Eu digo que o vestido é cafona, ele diz que o vestido é piroso. Eu digo que a dona do vestido é uma patricinha, ele diz que é uma betinha.
Eu digo que temos um problema de sílaba tónica, ele concorda. Eu digo que quero comer sushÍ, ele diz que também quer comer sÚshi. Eu digo que vou de metrÔ, ele diz que me pega na saída do mÉtro. Eu digo que o hotel se chama tÍvoli, ele diz que se chama tivolÍ. Eu digo que busco a miúda no judÔ, ele diz que ela sai do jÚdo no fim da tarde.
Eu digo carinho, ele diz festinhas. Eu digo beijo tchau, ele diz beijinhos grandes e até logo. Eu digo eu te amo e ele poderia dizer amo-te, mas, no fim das contas, ele acaba dizendo eu tambaim q’rida...
Sorte a minha."

Texto de Ruth Manaus para o jornal O Estado de S. Paulo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:22

domingueiras

por sapoprincipe, em 03.06.18

180603_by_Ian_O-Phelan.jpg

Bull by Ian O’Phelan

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:00

anarriê

por sapoprincipe, em 01.06.18

180601_junho.png

a pressa é inimiga da perfeição

mas, também, o ótimo é inimigo do bom

se só tem tu...

olha a cobra. é mentira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 22:11

do bem

por sapoprincipe, em 27.05.18

"uma reação anormal
numa situação anormal
é um comportamento normal"

__________________________________________________ Hannibal

 

"Não há limite no anormal
É que nem sempre o amor
É tão azul"

________________________________ Fred Martins / Alexandre Lemos

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42

feito

por sapoprincipe, em 18.05.18

180518_by_dannyivan.png

by Danny Ivan

Há tempos (a long long long time ago) para a data de 13 anos da empresa em que eu trabalhava propus colocar na camiseta, que eles queriam fazer de comemoração, a frase: a sorte de um trabalho bem feito. Não foi aprovado. :c( A frase me voltou à cabeça por conta do blog estar fazendo 13 anos. No caso só cabe o feito - e nem trabalho é (embora, às vezes, dê um grande trabalho fazer).
Vamos ver quanto tempo ainda dá... sorte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:27

maya

por sapoprincipe, em 01.05.18

180501_maio.png

trabalho. abolição? família.

tem um dia de maio que é pra comemorar, tá? rs

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:24

domingueiras

por sapoprincipe, em 29.04.18

180429_by_Shigeru Masui.jpg

by Shigeru Masui

Flor-Portraits of Wojtek Czerski

Flores para terminar abril.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:13


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D