Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



fashion

por sapoprincipe, em 14.02.11

Palavra da vez.

 

Sensação térmica.

publicado às 20:40

= 2011 =

por sapoprincipe, em 27.12.10

Para todos vocês,

 

publicado às 11:11

mesa de bar

por sapoprincipe, em 14.10.10

Você convida ela prá sentar

(Muito obrigada)
Garçom uma cerveja
(Só tem chopp)
Desce dois, desce mais...

Amor, pede
Uma porção de batata frita
OK! você venceu
Batata frita...

Você não soube me amar – Blitz


 

 

Este papo sobre profissional tem tantas vertentes, não?

No caso de interiores agora que começa o boom do profissionalismo. Desde que o termo Decoração sofreu o upgrade para Design de Interiores, várias escolas vêm oferecendo (nas grandes cidades, pelo menos) cursos de graduação e pós-graduação. Mas, pelo que ouço dizer, os cursos de graduação não andam lá tão bem – por uma política educacional do governo que ainda precisa de sérios ajustes, por várias escolas estarem só interessadas no valor da mensalidade (nunca no nível do ensino) e por ser, de certa maneira, um assunto novo. Os cursos de pós também não ficam atrás. Posso dizer de cadeira. Claro que sempre um professor ou outro nos faz pensar que o curso vale a pena. Na minha pós, foram 3 professoras até agora. Mas, há outros professores e orientações da coordenação que são de chorar no cantinho.

Além da eterna disputa de status.

Os formandos em design achando que os antigos decoradores eram apenas algumas pessoas com jeitinho (não deixa de ser ver verdade em grande parte, mas alguns aprenderam na prática e poderiam dar banho em muitos profissionais). Em compensação, grande parte dos arquitetos olha com total desprezo pro designer e colocam à parte qualquer arquiteto que se atreva a atuar na área (e olha que é uma área em expansão!).

Para esses, a pirâmide social dos profissionais ficaria desenhada com os decoradores como a ralé; a seguir, os engenheiros; depois, os grandes profissionais que são os arquitetos e, no topo, os urbanistas – estes divinos seres que pensam as cidades, quiçá o universo.

Mas é mesmo assim? Precisa de uma hierarquia ou deviam estar todos trabalhando para um mesmo fim? O que conta não deveria ser o bem estar do ser humano?

Um grande urbanista que planejasse – e construísse – largas avenidas (arborizadas na minha preferência), algumas ciclovias e ruas pedonais (não seria de todo má), definisse zonas residenciais, comercias e industriais. Locasse praças, parques, escolas, hospitais, serviços, etc., mas lá não se encontrasse ninguém, nenhum ser humano (vamos exagerar: nenhum animal). Ainda assim seria uma cidade?

Um projeto brilhante de um arquiteteto – com uma volumetria bem proporcionada, balanços arrojados, implantação cuidadosa com melhor aproveitamento da insolação, mas vazio, sem morador, é uma residência? É uma casa?

Quando o arquiteto vai projetar uma casa unifamiliar, poderá, no caso, estar falando diretamente com os futuros moradores. Mas se essa mesma casa estiver num condomínio (um dos planos lá do urbanista), com várias casas semelhantes, ou ele estiver projetando um edifício, ele saberá exatamente quem irá habitar o imóvel? Ou teremos o construtor definindo o que ele acha que o mercado pode absorver e entregar o apartamento numa imaculada cor branca (mas só por ser a tinta mais barata) e uma famigerada cerâmica begezinha nos banheiros e na cozinha (mais uma vez porque conseguiu um bom preço). E aquele apartamentozinho de 2 quartos, pensando inicialmente para um casal recém-casado ou, no máximo, com um filho pequeno, que está lá habitado por família com 3 filhos?

E quando o arquiteto define os pontos de tomadas e de luz ele não está pensando (ou pelo menos deveria) num projeto de interiores, já que ele estará definindo a posição do mobiliário? (não é verdade. A tomada da TV nunca está onde deveria e nunca há tomadas suficientes naquele quarto que se quer transformar em escritório).

Pensemos uma situação mais favorável: um casal (jovem ou não), sem filhos, compra uma casa (sempre falo casa podendo ser casa mesmo ou apartamento), boa, sala ampla, cozinha bem iluminada, 4 quartos fantásticos, mas querem reformar. Metade de um quarto servirá para ampliar a sala (já que eles gostam de receber amigos com frequência), a outra metade será um closet (que ela faz questão. Olha o preconceito, pensou em roupa, já se usa o feminino), o outro quarto, um escritório e por aí vai. Obra, quebrar paredes... arquiteto. Mas quando eles começarem a discutir qual a melhor posição do sofá na sala, onde ficam as estantes no escritório, a distribuição das gavetas do closet, a cor da parede do quarto, qual profissional chamar?

Num processo de entrevistas e discussão de propostas, o designer de interiores consegue uma bela harmonia de cores, revestimentos com texturas diferentes e agradáveis, um melhor aproveitamento dos espaços, belas estantes para os livros (eles - os livros - merecem), belo jogo de luzes, deixando o casal satisfeito por poder receber os amigos num ambiente agradável e confortável. É esse o profissional que é dispensável?

Tá, também se faz decoração para vender apartamento... Estão ali simulando um perfil. Mas, quando alguém decide pensar no interior da sua casa, é porque ele quer ocupar aquele espaço. Transformá-lo em seu. Ele quer ter ali o seu habitat.

E a casa de 4 quartos pode ser apenas um quarto e sala, ou só um quarto, não interessa, é o espaço a ser ocupado por uma pessoa (ou várias) do jeito dela (s).

Esse não é um ponto importante?

publicado às 09:00

notas das provas?

por sapoprincipe, em 10.10.10

 

by Cláudio Luiz

 

Hora da postagem 10:10 h

 

NB - lugar comum, eu sei. Mas não resisti.

publicado às 10:10

mesa de bar

por sapoprincipe, em 30.09.10

Tenho uma amiga que está fazendo um curso de Design de Interiores.

Ela defende que a casa tem que ter a cara d@ don@. E é adepta do “do it yourself”.

Concordamos [quase] plenamente no primeiro item e discordo totalmente do segundo. Sou a favor de contratarem um profissional - sempre. Estou puxando sardinha pra minha brasa? Claro! Gosto do que eu faço, preciso trabalhar e quero é mais... Independente deste ponto interesseiro, existem outros pontos a serem discutidos.

Não acho que uma casa, para ter a cara d@ don@, tem que, necessariamente, ser feita por el@ mesm@.

Minha amiga tem um olho excepcional / brilhante para a decoração, o design, a arte, apesar de sua primeira formação ser em Farmácia. Mas essa não é a regra. A maioria das pessoas não tem esse olhar, e algumas sequer tem interesse em adquiri-lo (é uma coisa que se aprende, claro).

Há profissionais que têm um estilo definido e só conseguem fazer aquilo? Sim (alguns fazem sempre o mesmo por falta de competência mesmo).

Aí temos várias situações. Primeiro, a escolha do profissional. Acho que devemos respeitar os gostos dos clientes e traduzir os seus desejos (o que nem sempre se consegue da maneira que eles imaginam ou propõem. Já tive um caso em que ele queria uma cozinha “rústica” e ela queria colocar uma geladeira de aço inox.). Se o projeto apresentado não está de acordo, é necessário repensá-lo. Para tanto, é necessária a participação efetiva do cliente.

Se @ cliente escolhe aquele profissional que tem estilo próprio, é porque gosta daquele estilo ou quer o status que a assinatura dele confere ao projeto. Como há quem não queira a peça mais adequada para a sala mas, sim, uma peça assinada, porque acha que isso lhe fará parecer importante. Nesse ponto não dá para interferir, é uma questão para el@ resolver com a consciência del@ ou no divã do analista.

Por mais que um projeto, num primeiro momento, possa ficar com cara de showroom (tudo novinho), com o tempo as pessoas vão se apoderando do espaço. É a compra de um porta-retrato a mais, é um outro livro que se coloca na estante, é a troca do arranjo floral e tudo vai ficando mais pessoal.

Até que as alterações tiram a harmonia do espaço e começa a incomodar, sendo necessário um novo projeto.

Se a pessoa quer apenas pintar a casa ou pendurar um quadro, é simples (embora até para isso, às vezes é bom chamar um profissional), mas um projeto de interiores vai muito além disto. Há escolhas de cores, texturas, matérias e disposição do mobiliário, uma solução para a circulação, a insolação, o conforto. Por mais que se tenha regras para isto, em alguns casos é justamente a quebra da regra que dará a melhor solução, ou aquele plus.

O profissional, dependendo da sua experiência, poderá achar soluções criativas, até por conhecer os materiais e saber como funcionou a aplicação em diversos casos.

Quando minha amiga folheia revistas, ou pesquisa na internet, ela está passando por uma formação. E muitas das coisas que ela vê e destaca foram feitas por profissionais. Dá para achar que ficou bonito, não dá para saber é se os clientes gostaram e se tem mesmo a cara deles.

A questão é saber transpor a idéia de um espaço para outro. O que resulta num lugar não necessariamente irá funcionar em outro, por questões de dimensões, iluminação, composição das outras peças. Por isso é necessário avaliar bem a situação e o que se pretende. Algumas pessoas quererão fazer por elas mesmas, outras... nem por isso.

Ainda bem, pois pra mim é um prazer dar forma aos desejos das pessoas.

 

NB - o @ entrou para dizer O ou A ou elE ou elA. coisa que aprendi com minha amiga Monix.

publicado às 12:00


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D